O centro

| foto: pixabay


Isolado, observo o centro
o centro do meu mundo,
o centro do mundo

mudos, as conexões se fortalecem
as banais, se enfraquecem
outras dão sinais de que vão existir

um dia...

e enquanto permitir,
o novo poderá surgir,
ainda que se assuste

porque a incerteza traz angústia,
ela nos empurra para o centro,
o centro dos nossos mundos

mergulhados na própria solidão de ser quem é
não há esconderijos,
mas armadilhas silenciosas que revelam o íntimo

isolados, imersos a si
você sabe: o centro, o seu e o meu,
não será mais o mesmo

como estaremos
no novo dia
e quando ele há de vir?

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA